Pelos Meus Direitos Humanos e Pelos Seus: Eu Sou AfroResistência!


Fonte: Pexel/ RODNAE Productions


Meu nome é Sara, tenho 31 anos, sou mãe solteira. Nasci na Vereda del Panal, um belo território localizado no sul do Pacífico colombiano, negligenciado pelos diferentes governos, e atualmente desejado e disputado por interesses multinacionais e locais. Em minha terra existem pessoas corajosas, dignas, bonitas e trabalhadoras; a maioria delas é negra. Sou mãe, filha, irmã, sobrinha, prima, tia de pessoas que se comprometem a defender e preservar nosso querido território. Venho de uma linhagem de bravos homens e mulheres, muitos dos quais perderam a vida defendendo nosso território; foram torturados e presos, como aconteceu comigo e minha mãe.


Ainda muito nova, devido à falta de proteção do Estado e de investimento no desenvolvimento socioeconômico de nossa região e, portanto, à falta de possibilidades de sobrevivência, minha família, como tantas outras, foi forçada a deixar o território onde nascemos; migramos dentro do país em busca de uma vida digna. No entanto, a realidade dos negros dentro e fora dos territórios é a mesma: perseguições, discriminações, maus-tratos e a violação constante da nossa dignidade, dos nossos Direitos Humanos. Lembro-me de que, quando era jovem, não entendia o assédio e o abuso. Minha inocência e fé na humanidade me fizeram questionar o que estávamos experimentando através das lentes do amor, espiritualidade e humanidade. Certamente não entendia, sempre me perguntava: "Por que tanta frieza, por que tantos abusos se todos devemos ser filhas e filhos do mesmo Deus?"


Por fim, voltamos ao nosso território. Na idade adulta herdei de minha mãe o amor e o compromisso de lutar pela minha terra, de criar um mundo melhor para meu povo, para as gerações futuras, para minha filha, para minha mãe, para MIM!


A jornada não foi fácil. Em 2009, sobrevivemos ao transbordamento do Rio Mira, perdemos todos os nossos pertences e a casa uma vez que a maior parte era de madeira. Em 2010, por causa do meu ativismo, minha família foi ameaçada e deslocada; fomos forçados a deixar nossas casas. Por muito tempo, sobrevivemos graças à solidariedade e ao apoio de vizinhos de outras aldeias. Em 2014, fui eleito representante no Conselho de Administração do Consejo Comunitario Alto Mira y Frontera (Conselho Comunitário de Alto Mira y Frontera). Meu trabalho e o de outros membros do Conselho tornaram-se uma ameaça a certos interesses da região. Tanto Gilmer Genaro García, representante legal do Conselho da Comunidade, quanto eu, fomos ameaçados por membros da guerrilha das FARC. Infelizmente, em 3 de agosto de 2015, Gilmer foi assassinado pela guerrilha e, mais uma vez, fui obrigado a deixar o meu território. Voltei mais de um ano depois, no início de 2017, e fui mais uma vez eleito representante do conselho. As ameaças e assassinatos de líderes e ativistas negros que lutaram para proteger as terras de nossos ancestrais continuaram. Desta vez, o camarada José Jair Cortés, membro do conselho de administração, assim como outros líderes comunitários, foram assassinados, torturados ou desapareceram. As ameaças e perseguições contra mim e minha família tornaram-se insustentáveis. Mais uma vez, tivemos que fugir. A polícia nos localizou e em 20 de abril de 2018, eles chegaram com um mandado de prisão; eles prenderam a mim e minha mãe. Ficamos 15 meses na prisão, mantidos em uma penitenciária e centro carcerário de alto nível. Minha filha tinha apenas oito anos e acabou sendo cuidada por vizinhos e outras pessoas enquanto eu estava na prisão.


Não sou mais a garotinha que não entendia. Apesar de todas as tentativas sociais e estruturais de negar minha humanidade, ainda existo. Eu sou uma mãe forte e líder; Tenho orgulho de minhas raízes e de meus ancestrais. Faço parte da equipe AfroResistance. Eu trabalho duro para educar e aumentar a consciência em nosso povo, cavando fundo nas raízes reais de nossos problemas: capitalismo, racismo e patriarcado.


Procuramos eliminar todos os obstáculos do passado que ainda existem, obstáculos que possibilitam que o sistema capitalista, racista e patriarcal que nos rege exista e se sustente a partir da exploração de nosso trabalho produtivo e reprodutivo.


As experiências que vivi, os traumas e a constante violação dos meus Direitos Humanos para viver com dignidade, segurança e liberdade; a violação dos meus direitos reprodutivos para criar minha filha em condições dignas e seguras, além do estudo e análise das raízes dos problemas que afetam a vida dos negros, não só na Colômbia, mas em todo o mundo, me fez entender que, encontrar uma solução e exigir justiça e equidade para meu povo, e particularmente para mulheres e meninas negras, precisamos de estratégias e demandas enquadradas em um contexto de direitos humanos e um foco intersetorial fundado na análise de gênero, racial, econômica e abuso violento, incluindo violência de gênero, interpessoal e do estado.


Com AfroResistance, estamos trabalhando em prol da justiça, equidade e dignidade para as vidas e territórios negros. As mulheres e meninas da minha comunidade e da região estão investidas e comprometidas com a cura de traumas geracionais; estamos transformando, reivindicando nossa dignidade e transformando nosso espírito de luta e resiliência em estratégias e visão para criar as mudanças sociais de que os territórios negros das Américas precisam, especialmente para que as mulheres e meninas se sintam seguras, prosperem, tenham acesso a uma educação de qualidade e saúde, moradia decente e segura na terra de nossos ancestrais ou onde quisermos, para ter agência sobre nossos corpos, nossas famílias e nosso futuro. É por isso que luto; Eu luto para proteger e fazer avançar meus direitos humanos e os seus. É por isso que sigo em frente, por isso que sou, por isso e mais AfroResistance!

 

Em 10 de dezembro, celebramos o Dia Internacional dos Direitos Humanos. No AfroResistance, estaremos comemorando com um evento denominado: Direitos Humanos: Gênero, Justiça, Equidade e Reparações: Reimaginando o Futuro das Comunidades Negras nas Américas.

Horário: 14h EST/COL, 16h BR/CH

Registre-se aqui: https://bit.ly/humanrightsdayafroresistance