Gênero, Mudança Climática e Migração: A necessidade de uma Lente Feminista


Janvieve Williams Comrie | Buenaventura, Colombia


A experiência negra nas Américas sempre esteve, por circunstâncias, desenho e propósito, intrinsicamente ligada à terra e às formas de resistência expressas através de diferentes povos em diferentes territórios na região. A mudança climática afeta comunidades e regiões de maneira diferente, mesmo dentro de um mesmo país, dependendo de seu contexto cultural, econômico, ambiental, político e social. Mas a mudança climática também afeta as pessoas de forma diferente dentro dessas mesmas comunidades e regiões, dependendo de sua raça e gênero, tanto individual quanto coletivamente.


Para as comunidades negras, uma questão relacionada à mudança climática que não é suficientemente discutida e que geralmente é deixada de fora dos espaços de organização é a migração. A migração¹ como resultado da mudança climática nas comunidades afro-diasportivas tem sido principalmente interna e cada vez mais significa que as famílias se deslocam das cidades rurais para as urbanas, tornando-se assim pessoas deslocadas internamente (IDP’s)². Mas quando os impactos da mudança climática se cruzam com conflitos e violência e criam mais dificuldades, o deslocamento aumenta, muitas vezes forçando indivíduos e famílias a tomar a difícil decisão de cruzar fronteiras e se tornar migrantes internacionais. E, especificamente para as mulheres negras, a mudança do deslocamento interno para a migração forçada é ainda mais devastadora. Mas como falta a lente e o vocabulário para este fenômeno, as diversas realidades da mudança climática na vida das mulheres negras não são um fator de discussão, muito menos de organização e resistência.


O silêncio pode ser revertido incorporando uma perspectiva feminista negra de base à mudança climática que dificulta o papel que as mulheres negras desempenham em suas sociedades, comunidades e famílias em relação ao meio ambiente (vendo o meio ambiente como um participante ativo e não apenas um objeto).

AFP | Migrantes Haitians em Darien, Panama


Uma perspectiva feminista negra sobre a mudança climática acrescenta uma relação intersetorial que reconhece múltiplas identidades (e formas de opressão). Por exemplo, raça, sexo, idade, classe, migração, etc. e suas relações não apenas entre si, mas também com pessoas e comunidades que são como eles. Uma análise feminista negra de base aplicada à mudança climática acrescenta um nível de compreensão à mudança climática, raça, gênero e migração. Não apenas significaria estudos e pesquisas sobre as diferentes experiências de vida das mulheres, mas também incorporaria os gêneros múltiplos e expansivos que existem, e ampliaria as interações do ambiente com as pessoas e suas comunidades. Uma perspectiva feminista negra de base também levaria em conta outras interações sociais, tais como a capacidade individual e coletiva de se adaptar ou não às mudanças das ameaças ambientais que podem ter impacto na demografia, economia, relações de poder e instabilidade política, o que pode então levar a mudanças no acesso aos direitos fundamentais, tais como educação, emprego, saúde, recreação, etc. Esta perspectiva também entende que não há uma análise de tamanho único. Uma análise feminista negra de base entenderia, por exemplo, que as condições das meninas negras de baixa renda e das mulheres que vivem em suas próprias terras podem se traduzir em independência econômica cuja conseqüência inevitável, se perdidas pela violência estatal ou não estatal, é a vulnerabilidade econômica e o deslocamento.


Na América Latina, por exemplo, as experiências e condições nacionais específicas das mulheres e meninas negras são diferentes. Entretanto, os problemas que afetam as mulheres e meninas como resultado das mudanças climáticas e das políticas governamentais são semelhantes devido à posição social/econômica das mulheres e meninas negras nessas sociedades. O deslocamento causado por furacões e deslizamentos de terra será muito semelhante para uma comunidade negra na costa do Pacífico na Colômbia e para as comunidades garífunas negras em Honduras e Guatemala.


Como a crise migratória cresce rapidamente nas Américas e no mundo inteiro, os migrantes negros enfrentam a urgência de encontrar soluções reais para os impactos ambientais da mudança climática. As cidades estão crescendo, as comunidades rurais estão crescendo à medida que as cidades se tornam superpovoadas e as empresas transnacionais estão entrando em territórios onde migrantes negros e indígenas são forçados a se aproximar de áreas de despejo de lixo como aterros sanitários, aumentando sua vulnerabilidade a problemas de saúde ou piorando os já existentes.


No entanto, para os governos e até mesmo para o movimento, a norma tem sido não priorizar o impacto que a mudança climática tem tido na vida das pessoas, e especificamente das mulheres e meninas negras nessas comunidades étnicas e racializadas.


Embora seja verdade que os impactos negativos causados pela mudança climática e pelas políticas governamentais que representam os interesses anti-humanos do capital global têm sido prejudiciais às pessoas nas Américas e no Sul global em geral, para os negros que já são desproporcionalmente afetados pelo racismo estrutural, viver nessas comunidades acrescenta outra dimensão precária. Mas quando adicionamos gênero à análise, há uma carga e peso visível e invisível, e um impacto desproporcional que as mulheres e meninas negras carregam que não só molda suas experiências diárias, mas também determina seu futuro e o resultado de suas vidas.


medida que nos aproximamos de outro dia de direitos dos migrantes e continuamos o processo de aprofundar nossa análise e respostas organizacionais para destacar e lutar por e com pessoas forçadas a deixar suas nações por circunstâncias que não criaram, vamos acrescentar outra lente para nos dar a visão holística necessária para garantir que as experiências de ninguém sejam marginalizadas.


O trabalho da AfroResistance que procura se concentrar na situação das mulheres e meninas negras está empenhado em desenvolver ainda mais esta lente. Reconhecemos que quanto mais desenvolvidas forem nossas ferramentas de análise, mais eficazes seremos como movimento e mais próximos estaremos de garantir que os direitos de todos sejam respeitados e protegidos.

 

¹ Para os fins deste documento/artigo, uma pessoa migrante é qualquer pessoa que se desloca ou se mudou através de uma fronteira internacional ou dentro de um Estado longe de seu local de residência habitual, independentemente de (1) o status legal da pessoa; (2) se o movimento é voluntário ou involuntário; (3) quais são as causas do movimento; ou (4) qual é a duração da estada. https://www.un.org/en/global-issues/migration


² Os deslocados internos permanecem dentro de seu próprio país e permanecem sob a proteção de seu governo, mesmo que esse governo seja a razão de seu deslocamento. Eles freqüentemente se deslocam para áreas onde é difícil para nós fornecer assistência humanitária e, como resultado, estas pessoas estão entre as mais vulneráveis do mundo. https://www.unhcr.org/internally-displaced-people.html