Durante o recente ataque do Zoom, as Mulheres Negras gritam de volta e resistem.

Hoje (10 de junho),  O AfroResistance foi atacado durante nossa teleconferência do Zoom, A guerra global contra os negros e nossa resistência global. Essa teleconferência fornecia tradução simultânea em português e espanhol, enquanto era transmitida em espanhol pelo Facebook ao vivo. Durante a chamada, nossos palestrantes, Evelyn Alvarez, Yolanda Arroyo, Juanita Frances Bone, e Sara Quiñonez acompanhados por Lamar Bailey Karamañites e mais de 50 participantes via Zoom, e cerca de 450 espectadores no Facebook ao vivo foram violados por meio de vozes masculinas associadas, que todos falavam espanhol fluentemente.  Seu ataque incluiu ataques verbais racistas e cruelmente violentos contra nossos corpos com base no gênero.   

 

Durante a ligação, muitas mulheres começaram a entoar “Vamos pueblo carajo, el pueblo no se rinde carajo”, um canto da resistência afro-colombiana para abafar as vozes e mensagens doentias que assumiram nosso chamado. Nós nos juntamos lindamente, apesar do ataque.   

 

Nós, da AfroResistance, continuaremos a tomar todas as medidas para manter nossa comunidade sagrada e segura.  Não toleraremos agressões ou abusos racistas, transfóbicos, homofóbicos, sexistas, independentemente da forma ou plataforma.  Nossa prioridade agora é nomear, abordar e lidar com os danos causados e manter nossa comunidade segura e sagrada por todos os meios necessários.  

 

Somos uma organização liderada por mulheres negras, assumidamente, que continuará defendendo os direitos de todas as pessoas identificadas por mulheres, aqui e no exterior.

 

Para a nossa teleconferência marcada para amanhã, dia 11 de junho, que será realizada em português, não será realizada zoom para o público.  Isso significa que, infelizmente, não seremos capazes de fornecer interpretação da maneira que a linguagem da Justiça exige.  Infelizmente, nossa comunidade, que precisa de uma tradução para entender totalmente, será afetada e pedimos desculpas.  Apenas para esta chamada, à medida que nos reagrupamos, forneceremos a tradução de texto ao vivo por meio das caixas de comentários durante o feed ao vivo.  A tradução será fornecida em inglês e espanhol.

 

Agradecemos as múltiplas mensagens de apoio, pois encontraremos medidas para nos manter seguros, iremos mantê-los informados.

 

Em solidariedade,

 

Equipe AfroResistance

Durante o recente ataque no Zoom, as mulheres negras reagem e resistem.

Hoje (10 de Junho), AfroResistance foi agredide durante nossa chamada de Zoom " A g uerra global contra as pessoas negras e nossa Resistência histórica Global" . Essa chamada forneceu interpretação simultânea de português e espanhol enquanto transmitida em espanhol pelo vido pelo Facebook.  

 

Durante a teleconferência, nossos palestrantes, Evelyn Alvarez, Yolanda Arroyo, Juanita Frances Bone e Sara Quiñonez acompanhados por Lamar Bailey Karamañites e mais de 50 participantes via Zoom, e cerca de 450 espectadores ao vivo no Facebook foram violados por vozes falavam espanhol muito fluente. O ataque incluiu ataques verbais racistas e violentos contra nossos corpos e com base no gênero.

 

Durante a ligação, muitas mulheres formuladas a cantar “Vamos pueblo carajo, el pueblo no se rinde carajo”, um cântico de resistência afro-colombiana para abafar as vozes e mensagens doentias que tomaram conta de nossa chamada. Nós nos reunimos lindamente apesar do ataque.

 

Nós, da AfroResistance, continuaremos a tomar todas as medidas para manter nossa comunidade sagrada e segura. Não toleraremos agressões ou abusos racistas, transfóbicos, homofóbicos, sexistas, independentemente de qual forma ou plataforma. Nossa prioridade agora é nomear, abordar e lidar com os danos causados​​ e manter nossa comunidade segura e sagrada por todos os meios disponíveis.

 

Somos uma organização liderada por mulheres negras que continuará a defender os direitos de todas as pessoas identificadas como mulheres, aqui e no exterior.

 

A nossa chamada programada para amanhã, que será realizada em português, não será realizada com Zoom para o público. Isso significa que, infelizmente, não seremos capazes de fornecer uma interpretação da maneira que a justiça de linguagem exige. Infelizmente, nossa comunidade que precisa de uma tradução para entendre completamente a conversa será afetada e pedimos desculpas. Apenas para esta chamada, à medida que nos reagrupamos, forneceremos tradução de texto ao vivo através das caixas de comentários durante o feed ao vivo nas redes sociais. A tradução será necessária em inglês e espanhol.

 

Agradecemos como várias mensagens de suporte, e assim que encontrarmos medidas para nos manter segmentos, manteremos você informações.

 

Em solidariedade,

 

Equipe AfroResistance

Durante o reciente ataque de Zoom, las Mujeres Negras gritan y resisten.

Olá, AfroResistencia fue atacado durante a nuestra llamada Zoom, La guerra global contra os negros e a nuestra Resistencia global, esta llamada proporcionou interpretação simultânea em português e espanhol se transmitia em espanhol por Facebook.  Durante la llamada, nuestras presentadoras, Evelyn Álvarez, Yolanda Arroyo, Juanita Frances Bone, y Sara Quiñonez acompañadss por Lamar Bailey Karamañites y más de 50 participantes a través de Zoom, y aproximadamente 450 espectadores en Facebook en vivo fuimos violades a través de voces asociadas con el género masculino,  quienes hablaban español perfectamente. Su asalto incluyó ataques verbais racistas y brutalmente violentos contra nuestros cuerpos basados​​ en género.

 

Durante la llamada, muchas mujeres comenzaron a cantar "vamos pueblo carajo, el pueblo no se rinde carajo", un canto de resistencia Afrocolombiana para ahogar las voces enfermas y sus mensajes que se hicieron cargo de nuestra llamada.  Nos unimos maravillosamente a pesar del ataque.

 

Nosotres, en AfroResistance, continuaremos tomando todas as medidas para manter a nuestra comunidad sagrada y segura.  No toleraremos ninguna forma de asalto o abuso racista, transfóbico, homofóbico ni sexista, no importa en qué forma ni en qué plataforma.  Nuestra prioridad en este momento es nombrar, y lidiar con el daño descarga y mantener uma nuestra comunidad segura y sagrada por cualquier medio que sea necesario.   

 

Somos uma organização sem disculpas dirigida por una Mujer Negra que continuará defendendo os derechos de todas as pessoas identificadas, aqui e no extranjero.

 

Para nuestra llamada programada para mañana, que se llevará um cabo em português, não se llevará um cabo com zoom para o público.  Esto significa que lamentablemente no podremos proporcionar la interpretación de la manera que requiere la justicia.  Lamentablemente, nuestra comunidad that necesita traducción for entendre completamente see see afectada, y nos disculpamos.  Solo para esta llamada, a medida que nos reagrupamos, proporcionaremos traducción de texto en vivo a través de los cuadros de comentarios durante a transmisión en vivo.  La traducción se proporcionará al ingleses y al español.

 

Le agradecemos los múltiples mensajes de apoyo, ya que encontramos medidas para mantenernos seguros y lo mantendremos.


 

En solidaridad,

 

AfroResistance